fbpx

Citocinas inflamatórias e citocinas anti-inflamatórias, qual a relação com o ozônio?

Citocinas inflamatórias e citocinas anti-inflamatórias

A citocina é a denominação geral dada a qualquer proteína que é secretada pelas células e que afeta o comportamento das células adjacentes portadoras de receptores adequados. Algumas citocinas podem ter ações pró-inflamatórias ou anti-inflamatórias, de acordo com o microambiente no qual estão localizadas.

Dentre as consideradas pró-inflamatórias, temos as interleucinas (IL) 1, 2, 6, 7 e o FNT (fator de necrose tumoral). Enquanto, as anti-inflamatórias são as interleucinas IL-4, IL-10, IL-13 e o FTCβ (fator transformador de crescimento β).

Assim, estas citocinas são consideradas mediadores necessários para conduzir a resposta inflamatória aos locais de infecção e lesão, favorecendo a cicatrização apropriada da ferida. No entanto, a produção exagerada de citocinas pró-inflamatórias a partir da lesão, pode se manifestar sistemicamente com a instabilidade hemodinâmica ou distúrbios metabólicos. Nesse aspecto, as citocinas anti-inflamatórias podem minimizar alguns desses efeitos indesejáveis.

O ozônio (O3) através da formação de espécies reativas de oxigênio (ROS) e dos produtos de oxidação lipídica (LOPs) aumenta a produção de citocinas anti-inflamatórias, através da inibição da via NF-κB, ativando uma cascata de reações intracelulares que influenciam na atividade, diferenciação, proliferação e sobrevida das células, favorecendo a redução do processo inflamatório.
Assim como, promove a ativação e regulação do sistema imune, através da ativação de células T e do estímulo para liberação de citocinas, como interferon e interleucinas (IL) para desencadear a citotoxicidade mediada por células dependente de anticorpos (ADCC).

Além disso, o ozônio auxilia na reparação tecidual de forma mais rápida, devido a grande capacidade de aumentar o tecido de granulação e estimular a angiogênese, através do aumento da expressão de proteínas do fator de crescimento endotelial vascular (VEGF), do fator de crescimento transformador beta (TGF-β) e do fator de crescimento derivado de plaquetas (PDGF). A ozonioterapia também proporciona o estímulo para a migração de fibroblastos através da via PI3K/Akt/mTOR, como também melhora a oxigenação do tecido.

Dessa forma, o ozônio atenua o processo inflamatório exacerbado, promovendo a modulação da inflamação, por meio da redução de citocinas inflamatórias e aumento da produção de citocinas anti-inflamatórias, reduzindo assim os efeitos de dor, rubor e calor, porém sem bloquear a cascata inflamatória natural do organismo.

Referências:
OLIVEIRA, C. M. B. et al. Citocinas e Dor. Rev Bras Anestesiol. Rio de Janeiro, v.61, n.2, p.255-265, 2011.
SMITH, N. L. et al. Ozone therapy: an overview of pharmacodynamics, current research, and clinical utility. Med Gas Res., Mumbai, v.7, n.3, p.212-219, 2017.

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.