fbpx

Efeitos da Ozonioterapia no índice de estresse oxidativo e hemostático na Doença Arterial Coronariana

Efeitos da Ozonioterapia no índice de estresse oxidativo e hemostático na Doença Arterial Coronariana

As doenças cardiovasculares, incluindo as doenças arteriais coronarianas (DAC) e as doenças cerebrovasculares, são atualmente a principal causa de morte em todo o mundo, sendo responsáveis por 21,9% do total de mortes, e devem aumentar para 26,3% até 2030 (OMS, 2008). Os fatores que se aglutinam para aumentar o risco de desenvolver DAC aterosclerótica foram demonstrados e, subsequentemente, mostraram-se difundidos em todas as etnias e regiões em todo o mundo. Esses não são riscos novos, mas a onipresença do tabagismo, dislipidemia, obesidade, diabetes e hipertensão tem aumentado gradualmente (Gupta et al., 2008) e é considerada a influência motriz por trás da epidemia de doenças cardíacas enfrentada hoje (Franco et al., 2011).

Ozonioterapia e doenças arteriais 


O ozônio administrado em um intervalo de dose apropriado pode modular muitas vias bioquímicas com a ativação de segundos mensageiros. A evidência científica conectou a modulação de diferentes biomarcadores (por exemplo, enzimas antioxidantes, vias de óxido nítrico, 2,3-difosfoglicerato) como consequência da aplicação de baixas doses de ozônio. Esses fatos apoiam algumas das aplicações clínicas atuais do ozônio.

Em um modelo experimental, a insuflação retal (um método simples, fácil e barato de administrar ozônio) mostrou uma melhora sustentada na deformabilidade dos eritrócitos, sugerindo seus efeitos sistêmicos (Seda Artis et al., 2010) Martínez-Sanchez et al. (2012) realizaram um ensaio clínico randomizado controlado com o objetivo de investigar a eficácia terapêutica do ozônio em pacientes com DAC, tratados com terapia antitrombótica, Aspirinas e policosanol. Para a metodologia foram incluídos 53 pacientes divididos em dois grupos: um (n=27) tratado com terapia antitrombótica e outro (n=26) tratado com terapia antitrombótica mais insuflação retal de O3.


Um grupo paralelo (n = 50) pareado por idade e gênero foi usado como referência para as variáveis experimentais. A eficácia dos tratamentos foi avaliada pela comparação dos índices hemostáticos e marcadores bioquímicos de estresse oxidativo em ambos os grupos após 20 dias de tratamento.


O tratamento com ozônio melhorou significativamente (P<0,001) o tempo de protrombina quando comparado ao grupo de terapia antitrombótica apenas, sem modificar o tempo de sangramento. A terapia antitrombótica combinada O3 melhorou o status antioxidante dos pacientes, reduzindo biomarcadores de oxidação de proteínas e lipídios, aumentando o status antioxidante total e modulando o nível de superóxido dismutase e catalase com uma redução de 57% e 32% nas atividades de superóxido dismutase e catalase, respectivamente, movendo o ambiente redox para um estado de baixa produção de O2 com um aumento na desintoxicação de H2O2. Nenhum efeito colateral foi observado.


Em resumo, esses resultados mostram que o tratamento medicamentoso associado com a Ozonioterapia ser um tratamento complementar da DAC e suas complicações.

BAIXE O ARTIGO EM PDF AQUI

Referência: 

Martínez-Sánchez G, Delgado-Roche L, Díaz-Batista A, Pérez-Davison G, Re L. Effects of ozone therapy on haemostatic and oxidative stress index in coronary artery disease. Eur J Pharmacol. 2012 Sep 15;691(1-3):156-62. doi: 10.1016/j.ejphar.2012.07.010.

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.