fbpx

O ozônio pode provocar alergias?

O ozônio pode provocar alergias?

Muitas vezes, o ozônio é lembrado por sua toxicidade quando inalado, pois, pode causar irritação e inflamação nas vias respiratórias, levando a sintomas como tosse, falta de ar, dor no peito e chiado. No entanto, o ozônio não é considerado um alérgeno, ou seja, uma substância que provoca alergias em pessoas sensibilizadas.

O ozônio não ativa as células responsáveis pela resposta alérgica, como os mastócitos e os basófilos. Portanto, o ozônio não é capaz de desencadear alergias. Assim, é importante entender os efeitos do ozônio, distintos daqueles causados por alérgenos.

O ozônio é um gás incolor composto por três átomos de oxigênio, que possui um odor característico. Seu nome vem do grego “ozein”, que significa cheiro, em referência à sua fragrância distintiva. Destaca-se por suas propriedades físicas singulares, como a instabilidade e o alto poder oxidativo.

Como o Ozônio Age no Organismo?

Alérgenos, como o pólen, os ácaros, os pelos de animais e os alimentos, provocam uma resposta imunológica em cada indivíduo causando irritação, inchaço e desconforto. O ozônio diferencia-se, pois apresenta biocompatibilidade, ou seja, age através de sua capacidade de modular processos biológicos, como a resposta imunológica, a regulação redox e a produção de mediadores inflamatórios, suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Com essa capacidade, é possível aproveitá-la para modular condições patológicas, como as caracterizadas por estresse oxidativo e inflamação exacerbada. Em doenças crônicas, como artrite reumatoide, a capacidade do ozônio de modular a resposta inflamatória pode ser explorada para aliviar sintomas e melhorar a qualidade de vida dos pacientes. Além disso, em infecções crônicas, as propriedades antimicrobianas do ozônio podem ser utilizadas para complementar abordagens convencionais.

A biocompatibilidade do ozônio representa uma capacidade para uma abordagem terapêutica equilibrada e segura, pois promove seus benefícios a partir das respostas adaptativas do organismo. A capacidade do ozônio de interagir de maneira positiva com os sistemas biológicos próprios da pessoa não gera uma desregulação, evitando desencadear respostas adversas desproporcionais.

Precauções que se Devem Entender

Entretanto, a manipulação e a aplicação da Ozonioterapia devem ser feitas por um profissional qualificado. O ozônio é um gás que pode causar danos ao sistema respiratório quando inalado, pois os alvéolos não conseguem oxidar de maneira efetiva o gás. Isso pode levar a irritação, inflamação e redução da capacidade pulmonar temporária quando em pequenas quantidades.

Além disso, sua dosagem e concentrações influenciam no efeito desejado para cada caso e cada indivíduo. Somente um profissional capacitado poderá determinar os melhores usos e aplicações para otimizar os resultados.

Tendo os cuidados necessários e acompanhamento profissional, a única contraindicação relatada pela ABOZ é em pacientes com deficiência da enzima Glicose-6-Fosfato Desidrogenase (G6PD), conhecida como favismo. A utilização do ozônio não é aconselhável nesses casos, pois o favismo compromete a capacidade de oxidação celular, aumentando o risco de hemólise, um processo de destruição das células sanguíneas.

A Ozonioterapia ainda é cercada de mitos e desinformações. Compreender a realidade por trás dessa abordagem terapêutica é crucial para que mais pessoas possam se beneficiar de suas possibilidades. Deve-se destacar que essa terapia não é uma solução milagrosa, mas sim embasada por pesquisas e comprovações científicas.

O ozônio é um gás com potencial na área da saúde, sendo explorado em diversas aplicações clínicas. No entanto, sua aplicação requer compreensão de suas propriedades e impactos fisiológicos para uma utilização segura e eficaz. Dessa forma, a Ozonioterapia pode ser explorada de maneira consciente e integrada, alinhando conhecimento com os princípios básicos necessários.

 

Para receber mais informações sobre o ozônio e saber de todos os seus benefícios, siga nas nossas Redes Sociais e assine nossa Newsletter para acompanhar as novas descobertas.

 

Referências Bibliográficas:
WENTWORTH, P. Jr et al. Evidence for antibody-catalyzed ozone formation in bacterial killing and inflammation. Science, New York, v. 298, n. 5601, p. 2195–2199, 2002.

RE, L. Ozone in Medicine: A Few Points of Reflections. Frontiers in Physiology, v. 13, 23 fev. 2022.

Ozonize-se » A ozonioterapia é indicada para quê? – ABOZ – Associação Brasileira de Ozonioterapia. Disponível em: <https://www.aboz.org.br/ozonize-se/ozonioterapia-indicacoes/>. Acesso em: 4 dez. 2023.

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

Ao informar meus dados, eu concordo com a Política de Privacidade.

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.