fbpx

A Insuflação Retal de Ozônio atenua o Estresse Oxidativo Crônico em Pacientes Idosos com Doenças Cardiovasculares

insuflação retal de ozônio e doenças cardiovasculares

O envelhecimento é um processo biológico inevitável, caracterizado por uma deterioração progressiva das funções fisiológicas e do metabolismo, levando à morte, enquanto as doenças cardiovasculares (DCV) são a causa mais comum de morte em idosos. O estresse oxidativo crônico, por sua vez, contribui para disfunções e doenças cardiovasculares associadas à idade.  Neste artigo trazemos para discussão o uso do ozônio medicinal e como atenua o estresse oxidativo crônico em algumas terapias. 

A teoria do envelhecimento associado aos radicais livres propõe que eles são um subproduto do metabolismo normal e causam danos oxidativos às macromoléculas. Sua superprodução causa disfunção celular com a idade e, eventualmente, morte celular. De fato, foi demonstrado por vários estudos que um aumento de produtos de oxidação, como proteínas e lipídios oxidados, se correlaciona com a idade.

Historicamente, os cientistas tentam manipular a vida útil dos organismos modulando o metabolismo de espécies reativas de oxigênio (ROS), principalmente no nível dos sistemas de eliminação, por meio de intervenções exógenas e/ou endógenas. A suplementação com antioxidantes, restrição calórica e atividade física tem sido utilizada para testar a teoria dos radicais livres do envelhecimento; e, finalmente, reduzir o impacto de disfunções relacionadas à idade.

Em uma revisão recente, Bocci et al. apontaram que qualquer mudança no ambiente perturba a homeostase do corpo, mas, se o estresse é tolerável, o corpo pode se adaptar a ele e sobreviver ou melhorar suas funções. Evidências de que enzimas antioxidantes, vias de óxido nítrico e outras atividades subcelulares poderiam ser moduladas por baixas doses de ozônio medicinal são comprovadas e apoiam os surpreendentes efeitos do ozônio em muitas condições patológicas.

O mecanismo de ação do ozônio está intimamente ligado à reação com os fosfolipídios da membrana e produção de moléculas reativas: ozonídeos, aldeídos, peróxidos e peróxido de hidrogênio (H2O2). Essas moléculas reagem com as ligações duplas das substâncias presentes nas células, fluidos ou tecidos. Além disso, moléculas reativas interagem com os resíduos de DNA e cisteína das proteínas, atuando como segundos mensageiros, capazes de ativar enzimas antioxidantes, mediadores químicos e de resposta imune e citocinas. Por outro lado, o ozônio pode ativar fatores de transcrição nuclear, como o fator nuclear eritróide 2 (Nrf2), que por sua vez induz elementos de resposta antioxidante. 

Como a terapia com ozônio pode modular o sistema antioxidante, o objetivo do estudo de Wilkins-Perez et al. (2015) foi investigar a eficácia terapêutica do ozônio via insuflação retal em pacientes idosos com doenças cardiovasculares, a partir do conhecimento de que o ozônio atenua o estresse oxidativo crônico. 

Foi realizado um ensaio clínico controlado randomizado com 30 pacientes com mais de 60 anos com diagnóstico de qualquer doença cardiovascular. Um grupo paralelo (n=40) de idade e sexo pareados foi utilizado como referência para as variáveis determinadas. Os pacientes foram tratados com 200 ml de mistura de ozônio/oxigênio a 20mcg/mL de ozônio por insuflação retal, uma vez ao dia, durante 15 dias.

Os resultados obtidos permitiram afirmar que o ozônio melhorou o status antioxidante dos pacientes, reduzindo biomarcadores da oxidação de proteínas e lipídios e regulando o equilíbrio oxidante/pro-oxidante. Antes do tratamento com ozônio, parâmetros de estresse oxidativo plasmático foram determinados para caracterizar o status redox em pacientes idosos.

Os resultados mostraram uma diminuição significativa (P <0,05) da atividade da superóxido dismutase (SOD) e Glutationa Peroxidase (GPx), bem como níveis mais baixos de GSH em comparação com indivíduos saudáveis. De acordo com uma interrupção dos mecanismos antioxidantes, foi detectado um aumento significativo (P <0,05) de dano oxidativo aos lipídios (MDA) e proteínas (GC), indicando a presença de estresse oxidativo patológico.

Após a insuflação retal de ozônio, os níveis de MDA e GC foram bastante reduzidos (P <0,05), não mostrando diferenças estatísticas em comparação com o grupo controle. Ao mesmo tempo, o ozônio restaurou as defesas antioxidantes e melhorou o status antioxidante desses pacientes.

Os autores concluíram que o tratamento médico com ozônio atenua o estresse oxidativo crônico e pode ser usado para melhorar a interrupção redox em pacientes idosos, bem como terapia complementar no tratamento de doenças cardiovasculares e suas complicações.

ACESSE O CONTEÚDO COMPLETO AQUI

Referência:

WILKINS-PEREZ, I. et al. Rectal insufflation of ozone attenuates chronic oxidative stress in elderly patients with cardiovascular diseases. Oxid Antioxid Med Sci, v.4, n.1, p.23-27, 2015. 

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.