fbpx

Baixas concentrações de ozônio

Nas últimas décadas, o uso medicinal do ozônio gasoso (O3) vem aumentando progressivamente como tratamento complementar/adjuvante para diversas doenças. O O3 é um gás altamente instável que se decompõe rapidamente em oxigênio e é aplicado para fins terapêuticos como misturas de O2-O3 com baixas concentrações de ozônio. 

O estresse oxidativo leve induzido por baixas doses de O3 ativa a via do fator nuclear eritróide 2 (Nrf2), que, por sua vez, estimula a expressão gênica de elementos de resposta antioxidante (ARE). Na verdade, a exposição a baixas concentrações de O3 promove uma resposta citoprotetora antioxidante, o que é consistente com o princípio da hormese, ou seja, “o efeito benéfico de uma exposição em baixo nível a um agente que é prejudicial em altos níveis”.

No estudo de Cisterna et al. (2021) foi avaliada a ação do Ozônio sobre os fibroblastos como células conectivas ubíquas que desempenham papéis na arquitetura do corpo, na homeostase de células residentes em tecidos e em muitos processos fisiológicos e patológicos.

Para a metodologia do estudo foi utilizada uma linha de células de fibroblastos humanos estabelecida como modelo in vitro e adotada uma abordagem multimodal para explorar um painel de características estruturais e funcionais celulares, combinando microscopia de luz e eletrônica, análise de Western blot, reação em cadeia da polimerase quantitativa em tempo real e ensaios multiplex para citocinas.

Tomados em conjunto, os resultados deste estudo não apenas estendem aos fibroblastos a noção de que baixas concentrações de ozônio são seguras para as células, mas também fornecem evidências originais de que a administração de misturas de gases O2-O3 induz múltiplos efeitos sobre os fibroblastos, dependendo de seu estado de ativação.

Em suma, em fibroblastos não ativados, o ozônio é capaz de estimular a proliferação, formação de protuberâncias da superfície celular, resposta antioxidante e secreção de IL-6 e TGF-B1, enquanto em fibroblastos ativados por LPS, O3 estimula a resposta antioxidante e a secreção de citocinas sem afetar a proliferação celular e motilidade. É, portanto, evidente que as baixas concentrações de O3 utilizadas neste estudo induzem respostas do tipo ativação em fibroblastos não ativados, enquanto que, em fibroblastos já ativados por LPS, a exposição ao gás potencializa a capacidade protetora celular.

A maioria dos efeitos observados em fibroblastos não ativados são devidos à exposição a 10 ou 20 ug de O3, ou seja, as concentrações que já foram consideradas ótimas para induzir com segurança uma resposta positiva em vários modelos celulares. Isso está perfeitamente de acordo com o conceito de baixas concentrações de ozônio no uso médico, que é cada vez mais aplicado na prática clínica.

BAIXE O ARTIGO EM PDF AQUI

Referência:

Cisterna B, Costanzo M, Lacavalla MA, Galiè M, Angelini O, Tabaracci G, Malatesta M. Low Ozone Concentrations Differentially Affect the Structural and Functional Features of Non-Activated and Activated Fibroblasts In Vitro. Int J Mol Sci. 2021 Sep 20;22(18):10133. doi: 10.3390/ijms221810133. PMID: 34576295; PMCID: PMC8466365.

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.