Deprecated: Creation of dynamic property ElementorPro\Plugin::$updater is deprecated in /home/u729504410/domains/philozon.com.br/public_html/wp-content/plugins/elementor-pro/plugin.php on line 452

Deprecated: version_compare(): Passing null to parameter #2 ($version2) of type string is deprecated in /home/u729504410/domains/philozon.com.br/public_html/wp-content/plugins/elementor/core/experiments/manager.php on line 167
O ozônio pode ser efetivo na inativação do vírus da Covid-19 em ambientes? - Philozon

O ozônio pode ser efetivo na inativação do vírus da Covid-19 em ambientes?

O ozônio pode ser efetivo na inativação do vírus da Covid-19 em ambientes?

O ozônio é um excelente agente oxidante e devido à sua capacidade de destruir microrganismos como bactérias e vírus, tem sido amplamente utilizado para desinfetar água, águas residuais, ar e alimentos, e ganhou aplicações nos setores de energia, indústrias e saúde.

As primeiras pesquisas sobre o ozônio se concentraram principalmente na inativação de vírus transmitidos pela água e demonstraram que as concentrações de ozônio relativamente baixas (~ 1 mg/L) e tempos de contato curtos (~ 1 min) foram suficientes para inativar 99% dos vírus, como rotavírus, parvovírus, vírus calici felino e vírus da hepatite A (Akey e Walton 1985; Hirai et al. 2019; Tseng e Li 2008).

No entanto, com o controle adequado da dose de ozônio e da umidade do ar (umidade relativa: UR ~ 80%), as taxas de inativação de vírus aumentam substancialmente, tornando o ozônio um método atraente e rápido para inativar vírus aerotransportados e presentes em superfícies.

Usando modelagem molecular, o estudo de Tizaoui (2020) avaliou a reatividade do ozônio em relação a moléculas-chave representativas na estrutura do SARS-CoV-2.

Modo de ação do ozônio contra vírus

Devido à sua propriedade de alta oxidação, o ozônio é particularmente letal contra vírus, tanto com envelope quanto sem envelope.

Embora o modo de ação do ozônio contra os vírus ainda não esteja totalmente esclarecido, é provável que o ozônio reaja com os vírus por meio do mecanismo de reação direta do ozônio molecular e/ou indiretamente por meio de espécies reativas de oxigênio (ROS), como OH·, O2 e H2O2 produzidos como resultado da decomposição do ozônio.

Além disso, as reações entre o ozônio e suas ROS com os constituintes da estrutura do vírus, incluindo lipídios, proteínas e aminoácidos, podem levar à formação de outras ROS, incluindo radicais reativos (RCOO·) que propagam ainda mais a oxidação por meio de uma reação em cadeia.

O ozônio reage prontamente com vários compostos biológicos na ordem de preferência:

Lipídios (particularmente ácidos graxos poliinsaturados)> antioxidantes> proteínas ricas em cisteína> carboidratos (Bocci 2002).

Murray et al. (2008) mostraram que o ozônio inativa os vírus por meio da peroxidação de lipídios e proteínas, seguida de danos subsequentes ao envelope viral lipídico e ao capsídeo proteico. O ataque do genoma pelo ozônio também foi recentemente confirmado por Young et al. (2020). Assim, o ozônio e seus ROS são capazes de atacar o vírus em diferentes locais de sua estrutura, destruindo-o e tornando-o inativo para infectar.

Inativação potencial de SARS-CoV-2 com ozônio

O SARS-CoV-2 é relatado como pertencendo ao grupo kappa-B dos coronavírus e tem um diâmetro na faixa de 50 a 200 nm (Zhou et al. 2020) (aproximadamente 500 vezes maior do que o tamanho de uma molécula de ozônio.

Semelhante a outros coronavírus, o SARS-CoV-2 tem uma estrutura que consiste em um material genético central rodeado por um envelope de pontas de proteína que se assemelha a uma coroa (Xu et al. 2020a). A Figura 1 (a) mostra uma representação do modelo da estrutura do SARS-CoV-2.

O material genético central é um único genoma de RNA de sentido positivo protegido por um nucleocapsídeo (N), enquanto o envelope viral é criado por três proteínas estruturais: pico (S), envelope (E) e membrana (M). O genoma codifica essas quatro proteínas estruturais principais (ou seja, S, E, M e N), que são todas necessárias para produzir um vírus estruturalmente completo. A proteína S do pico é feita de duas subunidades S1 e S2 e é responsável por iniciar os eventos de infecção por meio de uma forte ligação da subunidade S1 ao receptor da enzima conversora de angiotensina 2 (ACE2) humana.

A afinidade de ligação de S1 para ACE2 foi encontrada ser 10 a 20 vezes maior do que a de SARS-CoV (o vírus que foi responsável pelo surto de SARS em 2003), o que poderia explicar a alta infectividade e transmissibilidade de SARS-COV-2 em comparação com SARSCoV.

Após a ligação da subunidade S1 ao receptor ACE2 na célula hospedeira, a subunidade S2 forma um feixe de seis hélices, servindo para aproximar as membranas virais e celulares para fusão e infecção. A oxidação das proteínas S pelo ozônio pode, portanto, inibir o processo de infecção.

Conforme mostrado na Figura 1 (b), o ozônio e seus ROS também podem atacar o envelope do vírus e se o ozônio e seus ROS forem capazes de penetrar no envelope, eles podem atacar o capsídeo do genoma e seu RNA, tornando o vírus incapaz de se reproduzir.

Em um estudo conduzido na China após o surto de SARS de 2003, o ozônio foi considerado eficaz para matar o vírus SARSCoV na água em minutos (Jia-min et al. 2004). Isso significa que o ozônio pode ser um oxidante potencialmente letal contra o SARS-CoV-2, uma vez que os dois vírus vêm do mesmo grupo e têm estruturas semelhantes. Além disso, compartilham 79,6% da estrutura do genoma e tendo 89,8% de sequência idêntica da subunidade S2, enquanto a subunidade S1 de ambos os vírus se liga ao ACE2 humano.

Portanto, os resultados deste estudo mostram que o ozônio é capaz de atacar as proteínas e lipídios das pontas e do envelope do vírus, particularmente os aminoácidos triptofano, metionina e cisteína, e os ácidos graxos, ácido araquidônico, ácido linoléico e ácido oleico. Dessa forma, o ozônio pode ser uma alternativa a ser considerada no combate ao SARS-CoV-2, representando um método potencialmente eficaz e seguro de desinfecção e esterilização.

O ozônio também ataca os N-glicopeptídeos das subunidades 1 e 2 da proteína spike, embora com menor reatividade. A interrupção da estrutura do SARS-CoV-2 pode inativar o vírus, sugerindo que o ozônio pode ser um oxidante eficaz contra o vírus COVID-19.

BAIXE O ARTIGO EM PDF AQUI

Referência:

TIZAOUI, C. Ozone: A Potential Oxidant for COVID-19 Virus (SARS-CoV-2). Ozone Sci Eng, Chelsea, v.42, n.5, p.378-385, 2020

Share:

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no pinterest
Pinterest
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Sem comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Blog Philozon

Postagens relacionadas

Olá! Preencha os campos abaixo para iniciar a conversa no WhatsApp

O FORMULÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

 Em breve um consultor entrará em contato com você.

SUA AVALIAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO!

SUA DOCUMENTAÇÃO FOI ENVIADA COM SUCESSO

Por gentileza, informar seu consultor que o cadastro foi realizado.